O ENSINO SUPERIOR PÚBLICO EM ANÁPOLIS

 



Atualmente, em 2007, Anápolis conta com oito Instituições de Ensino Superior sendo uma pública e cinco privadas.

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) mantida pelo Governo do Estado. A UEG é uma instituição multi-campi com sede em Anápolis.

A UniEvangélica é um centro universitário mantido pela Associação Educativa Evangélica; e as outras quatro são faculdades: Faculdade de Filosofia São Miguel Arcanjo (FAFISMA), Faculdade do Brasil (FIBRA), Faculdade Latino Americana (FLA), Faculdade Raízes, Universidade do Vale do Acarau (UVA) e SENAI.

A primeira instituição de ensino superior criada em Anápolis foi a UEG que surgiu em 1961 como Faculdade de Ciências Econômicas de Anápolis (FACEA) com o curso de Ciências Econômicas.

Em 1967 surge o embrião da UniEvangélica com a Faculdade de Filosofia Bernardo Sayão, em 1968 a Faculdade de Direito e em 1975, a Faculdade de Odontologia. Todas três faculdades faziam parte da Associação Educativa Evangélica.

A terceira instituição a surgir foi a Faculdade de Filosofia São Miguel Arcanjo isso na década de 80.

No movimento de expansão da matrícula no ensino superior verificada no final da década de 90, início dos anos 2000 surge na cidade as Faculdades: FIBRA, FLA, Raízes, UVA e Faculdade SENAI.


A Universidade Estadual de Goiás - da FACEA a UEG

Em junho de 1961 é criada a Faculdade Ciências Econômicas de Anápolis (FACEA) criada pela Lei Estadual nº. 3.430, de 5 de julho de 1961. Sendo autorizada pelo Decreto Federal nº. 73.149, de 12 de novembro de 1973. Durante vinte e três anos mantém somente o curso de Ciências Econômicas.

Em 1984 amplia sua oferta de cursos passando a oferecer dois cursos a mais o de Administração e o de Ciências Contábeis; em 1986 sofre nova ampliação oferecendo também os cursos Tecnologia em Processamento de Dados e os de Licenciatura curta em: Letras, História, Geografia e Ciências. Totalizando assim 8 cursos de graduação sendo que quatro delas eram de licenciatura curta.

Desde a década de 40 que havia uma movimentação no sentido de criar uma Universidade Estadual em Goiás, conforme relatado em documento do Conselho Estadual de Educação nº. 947/93 de 02/09/93 que assim expressa:

“... inúmeras iniciativas legislativas de criação de uma Universidade Estadual emergiram a partir da década de 40 sem que ultrapassassem os limites formais das leis que as criaram. Senão vejamos: Lei nº. 192, de 20/10/48 – cria a Universidade do Brasil Central; Lei nº. 6.770, de 10/11/67 – cria a Universidade Estadual de Anápolis; Lei nº. 8.613, de 20/04/79 – cria a Universidade Rural do Estado de Goiás, com Campus em 10 cidades do interior goiano; Lei nº. 8.772 de 15/01/80 – autoriza a criar a Universidade do Estado de Goiás, com sede em Anápolis e a Lei 10. 018, de 22/05/85 – autoriza criar a Universidade Estadual de Anápolis”.

Todavia tais projetos não chegaram a se concretizar até que em setembro de 1987 o então governador do Estado Sr. Henrique Antonio Santillo através do Decreto nº. 2.814, instituiu uma comissão que tinha suas finalidades descritas no Art. 1º incisos I ao IV que assim expressavam:

"I- promover os estudos preliminares necessários à criação e implantação da Universidade Estadual de Anápolis;

II- levantar e relacionar, por ordem de prioridade, os atos legais e administrativos indispensáveis à criação, à instalação e ao funcionamento da Universidade Estadual de Anápolis;

III- sugerir ao poder público estadual, com base na legislação federal específica, os possíveis cursos a serem criados na Faculdade de ciências Econômicas de Anápolis, visando atingir o total exigido para composição da estrutura universitária;

IV- propor, tendo em vista as possibilidades e os interesses locais, regionais e da pública administração, a forma de estruturação da Universidade, buscando a economia de recursos a serem aplicados na execução do projeto, aliada a um elevado padrão de qualidade da entidade a ser criada”.

O projeto da Universidade Estadual começa então a ser concretizado. No dia 22 de agosto de 1989 o então Diretor Educacional da FACEA o Economista Ubiratan Cardoso de Souza designa, através da Portaria nº. 33-G/89 uma comissão com a responsabilidade de elaborar processos dos cursos de Engenharia Sanitária e Pedagogia, e para Plenificação do curso de Licenciatura curta de Ciências que se originaram os cursos de Licenciatura Plena em de Biologia e o de Licenciatura em Química. Esta portaria então operacionalizaria o inciso III do Decreto 2.814 acima descrito.

Em 1990 a FACEA é então transformada em Universidade Estadual de Anápolis (UNIANA) através do Decreto lei de nº. 3.549 passando a contar com 11 cursos sendo que destes 7 eram de formação de profissionais para atuarem na Educação Básica. A UNIANA era constituída de três centros: Ciências Exatas e Tecnológicas que funcionava no Anexo no Bairro Alexandrina ; o Centro de Ciências Humanas e Letras e o Centro de Ciências sócio-Econômicas, ambos funcionavam no Bairro Jundiaí onde atualmente é a Unidade Universitária de Ciências Sócio Econômicas e Humanas (UnUCSEH).

Também fazia parte da estrutura organizativa da UNIANA o Colégio de aplicação Prof. César Toledo que também funcionava no Anexo do Bairro Alexandrina e que foi entregue a Secretaria Estadual de Educação logo após a transformação da UNIANA em Universidade Estadual de Goiás e que mais tarde em 2004 foi doado pelo ex-reitor José Izecias de Oliveira à Polícia Militar para ser transformado em uma escola militar.

O Decreto nº. 13.456, de 16 de abril de 1999 cria Universidade Estadual de Goiás transformando as 12 faculdades isoladas e a UNIANA em unidades administrativas da UEG, com sede em Anápolis.

Anápolis então passou a compor a UEG e abrigar duas unidades universitárias, a Unidade Universitária de Ciência Exatas e Tecnológica (UnUCET) que oferecia, na época, os cursos de Engenharia Civil, Licenciatura em Biologia, Licenciatura em Química e a Unidade Universitária de Ciências Sócio Econômicas e Humanas (UnUCSEH) que abrigava os cursos de Pedagogia, Licenciatura em: Geografia, História, Letras e os cursos de Administração de Empresa, Ciências Econômicas, Ciências Contábeis e Tecnologia em Processamento de Dados. Este último tão logo foi inaugurado o Campus da UEG deixou de utilizar as instalações da UnUCSEH.

Atualmente a UEG conta com 30 unidades universitárias e 23 pólos espalhados por todo o Estado. Em Anápolis há duas unidades universitárias, um pólo e o Centro de Educação a Distancia. As UnUs e o pólo oferecem os seguintes cursos:

Na UnUCET – situado na BR 153, Km 98 - Campus

Cursos regulares: Ciências (Habilitação em Biologia), Ciências (Habilitação em Química), Química Industrial, Engenharia Civil, Engenharia Agrícola, Farmácia, Matemática, Arquitetura e Urbanismo, Tecnologia em Processamento de Dados, Sistemas de Informação.

Cursos Seqüenciais: Gestão Pública, Gestão Sanitária e Ambiental, Gestão de Trânsito, Tecnologias Radiológicas.

Cursos emergenciais: Licenciatura Plena Parcelada em Ciências (Habilitação em Biologia), Licenciatura Plena Parcelada em Matemática.

 

Na UnUCSEH – situada na Av. JK nº 146 – B. Jundiaí

Cursos regulares: Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Administração, Letras, História, Geografia e Pedagogia.

No Pólo – funcionando no Colégio Auxilium

Cursos emergenciais: Licenciatura Plena Parcelada em Pedagogia, Geografia e Letras.

Tem-se deste modo o relato da história do ensino superior público em Anápolis do início da década de 60 até os dias atuais, sem, contudo analisar o impacto que estas mudanças produziram no desenvolvimento humano da cidade, mas, acredita-se que deva ser um tema para futuras investigações.

 

UniEVANGÉLICA

Influenciada pela construção de Brasília a Associação Educativa Evangélica mantenedora do Colégio Couto Magalhães, em 1967 incursiona pelo ensino do 3º grau, criando, inicialmente, a “Faculdade de Filosofia Bernardo Sayão”, com os cursos de Pedagogia, Letras e Geografia, recebendo autorização governamental pelo Dc. Rec. Nº 61.889/67, cuja Faculdade se constituiu na primeira Unidade das Faculdades Integradas da Associação Educativa Evangélica.


 

 

voltar